Skip to content

Impressões sobre Reaper of Souls, a expansão de Diablo III

agosto 31, 2013

Como devem ter notado, tenho postado menos, em virtude da extrema falta de tempo, mas hoje cá estou para dizer rapidamente o que achei da expansão de Diablo III, ou pelo menos opinar sobre o pouco que sabemos até o momento.

– Teremos uma nova classe, o Crusader: pelo trailer, me parece ser a mais legal de todas em termos de habilidades e o personagem em si lembra o Paladino, de Diablo II. Acho isso espetacular, porque sempre joguei com o Paladino.

– O trailer diz “new environments”, traduzindo, novos cenários e mapas. Pelas imagens, nada de impressionante ou que fuja dos padrões de Diablo III.

– Não vi nada a respeito da “itemização” no trailer. Para quem não se lembra, Lord of Destruction mudou e melhorou completamente a itemização de Diablo II. No entanto, sei que o sistema será totalmente mudado e que agora a famigerada AH, Auction House, será apenas um último recurso para achar itens. Tomara, porque na minha opinião, a “itemização” é o que faz o jogo.

– Como sempre, a Blizzard fez um belo trabalho no trailer.

– Sempre me pergunto a respeito de um novo Diablo: qual capeta vai sobrar para matar? Não trouxeram nenhum dos outros vilões do jogo passado de volta. Nem Baal, nem Mephisto, nem Duriel. Agora, vou ter que matar um tal de Malthael – um anjo decaído. Era o que estava faltando mesmo. Pelo menos o design do vilão é bem legal e ele parece ser muito mais assustador do que o próprio Diablo. Isso sim lembra algo do mal.

2 Comentários leave one →
  1. setembro 1, 2013 13:40

    Eu também achei esse Crusader bem parecido com o Paladino. Aliás, isso é praxe de jogos de RPG criar outras classes ou raças essencialmente iguais e depois dar um nome diferente a elas. Eu sinceramente gostaria de classe NOVAS mesmo. Quando a um ato a mais a ser jogado, eu acho que está de bom tamanho!

  2. setembro 1, 2013 18:18

    É, não se renovam as classes mesmo. Se bem que, no quesito Diablo, acho que não sobraram muitas coisas para serem exploradas, ou pelo menos algo que faça parte da história/mística do jogo. Colocar um Bardo no game não faria sentido, por exemplo. A verdade é que Diablo está ficando batido e a fórmula de Lord of Destruction foi algo tão bom que os títulos novos tentam fazer algo diferente e acabam tendo que recorrer a ela como uma espécie de último recurso.

    Existe um certo limite de coisas inovadoras a serem feitas em um hack’n’slash para PC e acho que chegamos a esse limite em termos de jogabilidade. Por isso que Path of Exile é muito interessante – embora seja essencialmente um clone de vários jogos, ele pega o que tem de mais legal neles e cria algo totalmente novo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: